Uma das parábolas mais lindas e conhecidas de Jesus é a do filho pródigo, registrada em Lucas 15. 11-32. Além de ser uma bela e dramática história que fala da graciosa atitude de Deus em aceitar de volta os pecadores e festejar com eles, mostra valores e atitudes totalmente estranhos ao mundo moderno. Foi impactante na época e parece ser mais ainda em nossos dias.

Em nosso mundo as relações são marcadas por frieza, competição e impessoalidade, além de ter o dinheiro efetivamente como um deus que determina todas as atitudes. Mesmo a igreja evangélica tem sido muito influenciada por esses valores, e até mesmo o relacionamento com Deus tem sido buscado dessa forma…

Se a parábola seguisse nossos valores, creio que seria escrita assim:

Continuou: certo homem tinha dois filhos; o pai disse ao mais moço deles: pega a tua parte dos bens que te cabe, que é muito pequena, e vá embora. E ele lhes repartiu os haveres. Passados não muitos dias, o filho mais moço foi forçado a pegar o pouco que tinha e partir para uma terra distante.

Lá ele economizou seu dinheiro e investiu nos negócios mais rentáveis numa fazendo de suínos, de modo que foi enriquecendo à medida que aquele país prosperava. Certa vez, pensou: “como era medíocre a vida com meu pai, em todo tempo que vivi em sua casa nunca comi tão bem como agora. Levantar-me-ei e irei ter com meu pai, e lhe direi: veja como não necessito de ti, mesmo assim ofereço-lhe uma sociedade”.

E, levantando-se, foi para seu pai. Quando chegou bem perto dele, que se mostrava indiferente à sua presença, disse-lhe com arrogância: veja como não necessito de ti, mesmo assim ofereço-lhe uma sociedade. O pai, porém, disse aos seus servos: Preparem uma festa por meus últimos lucros, para que este filho mais moço veja que ainda necessita de mim. Pois, quem sabe, assim, ele vende o que tem, compra algumas ações e se torna meu sócio. E passaram a negociar.

            Ora, o filho mais velho estivera no campo; e, quando voltava, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças. Chamou um dos criados e perguntou-lhe que era aquilo. E ele informou: Veio teu irmão e teu pai está festejando seus últimos lucros para lhe mostrar que falta muito para chegar ao seu nível. Ele se ensoberbeceu quando seu pai o chamou para ajudar a negociar com seu irmão e então respondeu: Há tanto tempo te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e agora meu irmão volta de repente e, por que ganhou algum dinheiro sujo lá fora, acha que pode já voltar como seu sócio? Então lhe respondeu o pai: Ele tem razão, enquanto você estava fora, ele foi meu braço direito, por isso lhe dei tudo o que é meu, mas você não é digno de ser tratado como ele. Entretanto, se quiser, pode trabalhar pra nós e ir subindo aos poucos. Se você trabalhar duro, e mostrar que agora leva as coisas a sério, poderá chegar onde estamos. Entretanto, é necessário que ainda negociemos, para ver o que você merece de início.

Gangsters1

Qual Evangelho estamos pregando? Qual Evangelho estamos vivendo?

Anúncios