Lucas 8.4-15

O evangelho pode ser ouvido por todos

A metáfora é da semente que cai em diversos tipos de solo e que germinam e chegam a dar frutos de acordo com o solo em que caem.

O evangelho em si é poderoso e completo. Assim como a semente contém tudo o que é necessário para a formação de uma árvore e sua frutificação – desde que haja as condições certas – assim também é o evangelho na vida das pessoas.

Mas pode não ser compreendido

Os que estão à beira do caminho são aqueles que simplesmente seguem o caminho do mundo. Uma terra já batida e desgastada, que serve apenas de passagem para outros. A semente à beira de um caminho ficava exposta e era logo comida por algum pássaro, de modo que o processo nem se iniciava.

Muitos ouvem o evangelho, mas estão simplesmente endurecidos pelas próprias idas e vindas do mundo, da cultura, de suas próprias mentes, etc. O evangelho parece não ter qualquer relação com eles e logo é levado embora por aquele que se opõe ao evangelho. Este prefere que seu caminho continue endurecido e sem obstáculos na vida das pessoas, para que possa sempre pisar tranquilamente ao passar por cima dele.

Pode ser bem recebido, mas sem estabilidade

Muitos têm ouvido o evangelho e se alegrado com ele, as igrejas têm crescido dia a dia. Quase que está na moda ser evangélico atualmente. Mas muitos têm pouco espaço e terra em si, mantendo ainda a dureza das muitas “pedras” interiores. É quase a mesma coisa que na beira do caminho, mas com a diferença de terem gostado inicialmente da mensagem.

Sem terra para o aprofundamento da raiz, falta tanto nutrientes quanto estabilidade para a planta. Querem crescer antes de terem raiz, e acabam não suportando adversidades ou mesmo instabilidades da vida.

Pode ser ouvido, mas sem a primazia

Outros ouvem e aceitam o evangelho, mas este tem de concorrer com muitas outras coisas que estão no coração e no cotidiano dessas pessoas. Chegam até a desenvolver uma boa raiz, mas quando chega a hora de produzir frutos, ou seja, de se colocar em prática o evangelho, acabam sendo sufocados pelos próprios espinhos que já estavam ao redor.

Jesus chama esses espinhos de “os cuidados, riquezas e deleites da vida”, e sabemos muito bem do que ele está falando.

Quando em boa terra, frutifica naturalmente

Chegando à boa terra, o evangelho frutifica por si mesmo. Nós não podemos fazer nada para que uma semente se desenvolva, apenas preparamos o terreno.

O bom terreno é aquele já afastado do caminho pisado, com bastante terra para o aprofundamento da raiz e sem espinhos a sua volta para concorrer com a planta.

Creio que isso não quer dizer que o evangelho fatalmente só vai germinar em quem já estiver preparado para ele, mas é uma exortação e um alerta para que cada um daqueles que estão ouvindo avaliem suas próprias vidas e recebam o evangelho, dispostos a deixar que ele produza os frutos que naturalmente virão dele mesmo.

Anúncios